Neuralgia do Trigêmeo (NT) – o que é? Sintomas, causas e alternativas de tratamento

Por Dra. Natally Santiago

A neuralgia do trigêmeo (NT), também conhecida como tique doloroso ou nevralgia do trigêmeo, é uma doença que causa dor facial lancinante e abrupta, com sensação de choque elétrico ao longo do percurso do nervo trigêmeo. Os sintomas podem aparecer na parte inferior da face e região  mandibular mais comumente (Figura 1), mas também próximo ao ouvido, olhos, couro cabeludo, gengiva, dentes e lábios. Os pacientes normalmente referem dor forte e súbita na face, descrita um choque elétrico, facada ou tiro, com duração de segundos a minutos ou até horas em alguns casos, podendo ocorrer várias crises ao longo de um dia. É considerada por muitos especialistas como uma das dores mais insuportáveis para o ser humano. Pode comprometer significativamente a qualidade de vida do paciente e tornar-se extremamente incapacitante nas crises.

Estima-se uma incidência anual de 4,0 casos por 100.000 habitantes anualmente. Há predomínio no sexo feminino, em torno de 60% dos casos. Comumente afeta indivíduos acima de 50 anos (6a e 7a décadas de vida), sendo incomum antes do 40 anos.

Na prática diária, questões bastante frequentes são: Qual a causa da dor? Existe tratamento?

As causas da neuralgia trigeminal podem ser:

 Compressão vascular, ou seja, um vaso sanguíneo pressionado contra a raiz do nervo trigêmeo.

 Esclerose Múltipla – a neuralgia do trigêmeo aparece mais frequentemente em casos avançados das esclerose múltipla

 Tumor cerebral pressionando o nervo trigêmeo – causa rara.

 Danos físicos ao nervo – por procedimento odontológico ou cirúrgico, infecções.

 História familiar – a neuralgia trigeminal familiar é uma condição rara (1 a 2% de todos os casos).

O nervo trigêmeo é conhecido na medicina como o quinto nervo craniano. Ele se divide em três ramos responsáveis pela sensibilidade da face.(Figura 2) As pessoas com NT podem ter um ou mais ramos afetados, sendo a dor mais comumente unilateral. Dor em ambos os lados da face é incomum. Ataques repentinos de dor podem ser desencadeados pela escovação, mastigação, fala ou até pelo toque na face.

Se o médico acredita que se trata de neuralgia do trigêmeo, é muito importante uma avaliação cuidadosa para determinar exatamente quais as áreas afetadas pela dor.  Para o diagnóstico adequado é fundamental eliminar outras condições que podem apresentar sintomas semelhantes, como sinusite, tumores e cáries dentárias. A avaliação por imagem pode ser feita pelo exame de ressonância magnética, que auxilia o médico a determinar se a neuralgia é causada por doenças como tumores cerebrais ou esclerose múltipla.

A ansiedade em busca do alívio da dor no momento da consulta é comum. Queixas como “essa é a dor mais forte que já senti” e “nada alivia minha dor” são frequentes. Existem atualmente alternativas eficazes para tratar a dor trigeminal. O tratamento inicialmente é medicamentoso, com controle da dor na maioria dos casos. Naqueles em que o tratamento medicamentoso não é eficaz ou não é tolerado, podemos optar pelo tratamento cirúrgico. A cirurgia pode acabar com a compressão exercida sobre o nervo por um vaso sanguíneo, ou causar um dano ao nervo trigêmeo que impeça que os sinais dolorosos descontrolados persistam. É possível acabar com a dor, mas é preciso esclarecer que trata-se de uma doença crônica  e que pode ocorrer recorrência dos sintomas.

Não existem orientações de como prevenir o desenvolvimento da neuralgia trigeminal. Trata-se de uma doença pouco debatida e muitas vezes subdiagnosticada. No entanto, pode interferir profundamente com a qualidade de vida daqueles que sofrem com a dor. Por isso é fundamental a avaliação de um especialista e o início do tratamento o mais breve possível para controle da dor.

 

Figura 1. A sensação de choque na região inferior da face é bastante comum.

 

Figura 2. Nervo trigêmeo dividido em três ramos: oftálmico, maxilar e mandibular.